16/02/2018

[Resenha] Volte amanhã | Reinaldo Fontes

Volte amanhã

Autor(a): Reinaldo Fontes
Editora: Autografia
Páginas: 158
Resenha por: Larissa
Avaliação: 4/5
Compre: Americanas / Buscapé / Editora

*Livro cedido pela editora para resenha


Sinopse: Gabriela Moraes pode ter diversos defeitos, mas certamente autoestima não é um deles. Para ela, os desafios diários não passam de pequenos testes para a sua parede mental de persistência. Acostumada a olhares de reprovação, ela sabe que precisa de uma força duas vezes maior que as dúvidas que a cercam. É com essa força que ele enfrenta a distância de sua família, a opressão velada vivenciada em sua universidade e o medo de sucumbir a um improvável amor.

Resenha: Gabi, nossa protagonista, é a típica mulher independente e cheia de si que todas nós gostaríamos de ser. A moça não liga para as opiniões e olhares alheios, sabe que não precisa de ninguém para ser feliz, e se acha linda do jeito que é.

"É como dizem por aí: se não for para lacrar, a gente nem sai de casa!"

Malu, melhor amiga de Gabi, é um poço de tranquilidade e está sempre de boa com tudo. A moça era toda certinha, até conhecer nossa protagonista.

É através de sua amiga, Malu, que Gabi conhece um deus grego que faz tudo revirar-se dentro dela. Conversa vai, conversa vem, Cadu mostra-se alguém com opiniões diferentes da moça, o que faz com que os dois acabem discutindo em um primeiro momento.

"Sabe, se cada um cuidasse de si, não haveria tanta amargura no mundo."

Apesar da vida de Gabi ser aparentemente perfeita, duas coisas impedem sua vida de ser só flores: seus pais, que parecem não dar a mínima para ela, e seu professor da faculdade, Herbert, que assedia a moça.

Passando a metade do livro ficamos sabendo de algo bem surpreendente, que me fez ficar de boca aberta.

Ao ler a sinopse o livro pode parecer ser apenas mais um romance com um final feliz, mas posso afirmar que a estória é muito mais que isso, é uma obra que trata de temas importantíssimos, como assédio sexual e outro que não vou citar, pois seria spoiler, mas que não é menos importante. Leitura mais do que recomendada!

"Aquilo me fazia perceber que as tormentas, por pior que fossem, passavam, mesmo sem percebermos."

14/02/2018

[Tag] Que tiro foi esse?

Olá, livreiras e livreiros! Acredito que todo mundo já tenha ouvido em algum lugar o "hit do momento", Que tiro foi esse?, da Jojo Maronttinni, não é mesmo? E como os booktubers não perdem tempo, a Thais, do Pronome Interrogativo, criou esta tag, baseada na música. Nós a encontramos no blog Maluca dos livros. Vamos conferir nossas respostas?!

1. Que tiro foi esse?: um livro que te deixou no chão, morto, estatelado.
Larissa: "Escola dos mortos" (Karine Vidal) - Nesse livro temos tiro o tempo todo, então é impossível não ficar estatelada no chão em boa parte dele.
Viviane: "Precisamos falar sobre o Kevin" (Lionel Shriver) - Apesar de o começo ter sido meio parado, eu persisti na leitura e o final foi surpreendente, bombástico.

2. Samba na cara da inimiga: um livro que foi o melhor de todos de algum gênero.
Larissa: "A seleção" (Kiera Cass) - Não costumo ler distopias, mas essa série é incrível e, para mim, a melhor do gênero.
Viviane: "Minha mãe é uma peça" (Paulo Gustavo) - Não costumo rir lendo, mas com esta comédia dei altas gargalhadas.


3. Desfila com as amigas: uma série, trilogia ou duologia que é incrível do início ao fim.
Larissa: "Timeless" (Alexandra Monir) - Eu li o primeiro livro da duologia em uma maratona literária, não me aguentei e tive que ler o segundo... O que posso afirmar é que ambos são incríveis.
Viviane: "Segredos que a vida oculta" (Amadeu Ribeiro) - É uma triolgia policial com um grande mistério que só será revelado no terceiro livro e prende a atenção desde o começo.


4. Quer causar, a gente causa: um livro que você amou ou odiou e a maioria das pessoas teve uma opinião diferente da sua.
Larissa: "Quem é você, Alasca?" (John Green) - Antes de ler este livro, eu via os leitores dizendo que era um dos melhores livros que eles já tinham lido, que era muito bom, porém eu li e não achei tudo isso.
Viviane: "Como eu era antes de você" (Jojo Moyes) - Tenho dificuldade em aceitar finais de livros, e o deste eu não consegui aceitar até hoje. Nunca mais li nada da autora.


5. Quem olha nosso bonde, pira: um livro que você pira só de olhar a capa.
Larissa: "Desapaixonante" (Marvin Cross) - A capa deste livro e de todos os outros da série são incríveis; é impossível não pirar olhando só a capa.

Viviane: "Cujo" (Stephen King) - No livro novo de capa dura tem um baixo relevo da pata do cachorro, que eu acho muito legal.


E então, livreiras e livreiros, o que vocês acharam da tag e das nossas respostas? Esperamos que tenham gostado! Fiquem à vontade para respondê-la também, mas não esqueçam de dar os créditos à criadora. Beijos e até a próxima postagem!

12/02/2018

[Resenha] Nem tudo que reluz é ouro | Amarilis de Oliveira

Nem tudo que reluz é ouro

Autor(a): Amarilis de Oliveira
Editora: Vida & Consciência
Páginas: 264
Resenha por: Viviane
Avaliação: 4/5
Compre: Americanas / Buscapé / Editora

*Livro cedido pela editora para resenha


Sinopse: Para nos guiar na senda da evolução, Deus estabeleceu leis imutáveis, que nos ensinam a linha direta e mais curta para isso. Somos nós, no entanto, que, presos pelas ilusões do imediatismo a que nos habituamos no mundo, caminhamos por linhas tortuosas.

Este livro conta a história de pessoas que, cegas pelo orgulho e pela ganância, criaram dificuldades em suas vidas e tiveram de trilhar o caminho da dor para entender que somente a ligação com Deus e a prece sincera poderiam resolver seus problemas.

Resenha: Nesta trama de ganância e interesses, vamos conhecer o conde Carlos, um homem bonito, solteiro, que herdara do pai, em vida, um belo povoado afastado três dias de viagem de sua terra natal na Europa.

O pai de Carlos, com medo de que os filhos brigassem entre si por suas valiosas terras, dividiu tudo ainda em vida, inclusive os criados; dentre os que foram designados a Carlos, estava Eduard, homem de confiança do pai do rapaz, mas que o jovem considerava um espião.

Carlos herdara terras em uma vila um tanto estranha, onde a maioria dos habitantes tinha uma religião duvidosa que curava através de oração, passes e fluídos.

Quando Carlos chega a vila, logo os mais abastados financeiramente aparecem para "puxar-lhe o saco" e logo convidam-no para um baile. Neste baile, Carlos conhece várias moças em idade de casarem-se e não gosta de ver como os pais delas as atiram para ele, então volta para casa bem chateado.

Logo Carlos conhece o líder religioso do local e sua filha, Soláia, uma moça muito simpática, mas considerada estranha por Carlos, devido as crenças religiosas da moça.

Ao examinar as finanças do local, Carlos descobre muitas dívidas de impostos, algumas bem altas, e chama os devedores para acertarem. É aí que ele começa a fazer inimigos e precisa andar com seguranças o tempo todo após quase ser morto em uma emboscada.

Maláia, o maior devedor, tem a esperança de que Carlos case-se com sua filha, volte para Europa e esqueça a alta dívida, e mais, que o deixe cuidando de tudo, mas o rapaz já tem seu coração enamorado por Soláia, sentimento este que ele teima em não aceitar, devido ao preconceito em relação a fé da moça. Maláia é um homem orgulhoso e não sabe aceitar um "não", então ele "compra" um dos homens de confiança de Carlos e, a partir daí, todos terão sua fé testada.

"Não sou capaz de ser amigo! Traí dois dos maiores deles! A um deles provoquei remorsos imensos e sabe por quê? Por poucas moedas de ouro, que foram facilmente roubadas de mim."

Este livro nos traz uma grande reflexão sobre quem são os verdadeiros amigos, em que podemos realmente confiar e até que ponto devemos ouvir a nossa consciência e ignorar as opiniões alheias. Fazia tempo que eu não realizava este tipo de leitura e já estava com muitas saudades, pois quem acompanha o blog sabe o quanto eu gosto do gênero.

"...o sofrimento serve apenas de aprendizado e que, quando esse último acontece, o primeiro perde completamente a importância."

09/02/2018

[Resenha] O aprendiz d'amor | Diego Selingardi

O aprendiz d'amor

Autor(a): Diego Selingardi
Editora: Autografia
Páginas: 156
Resenha por: Larissa
Avaliação: 4/5
Compre: Americanas / Buscapé / Editora

*Livro cedido pela editora para resenha


Sinopse: Um relacionamento de anos que acaba; um mundo que desaba; e um coração machucado pela perda. As lágrimas são as companheiras de uma noite regada a sentimentos e pensamentos perdidos. Esta está sendo a noite de Diego. Ao revirar as lembranças deste relacionamento que chegou ao fim, em meio as cartas trocadas pelo o casal, uma assinatura: "O Aprendiz D'Amor".

Resenha: Em "O aprendiz d'amor" vamos conhecer, baseados em fatos reais, os relacionamentos amorosos e um pouco da vida do nosso personagem, Diego.

Tudo começou na segunda série, quando Diego conheceu Vanessa, e então os dois começaram a namorar. Era um namoro de criança, porém marcou muito o garoto. Depois vieram Elaine, Aline e por aí vai...

Seu namoro mais recente foi com a Monique, e é por aí que o livro começa. A moça terminou com ele e o rapaz está inconsolável, pois a amava muito.

"Um fim de namoro não é o fim do mundo. No final das contas é um novo recomeço, um recomeço dolorido, mas, como a maior parte das dores, ela cessa."

Nosso personagem tem um "amigo", O aprendiz d'amor, que digamos que seria o seu lado mais consciente, com o qual ele tem uns diálogos bem interessantes.

Após o término com Monique, Diego sai com outras garotas, beija, namora, porém seu coração nunca esqueceu sua ex namorada, por mais que fizesse bastante esforço.

Numa bela noite, nosso protagonista sonha com uma moça, que parece ser o amor de sua vida. Os sonhos com esta mulher passam a ser mais frequentes com o tempo, até que um dia, quando Diego está pronto para encontrá-la na vida real, ele não a vê mais nos sonhos. E é aí que começa a "busca" pela mulher dos seus sonhos. Porém, o amor não gosta de ser procurado, não é mesmo? Como diz Isabela Freitas: o amor vem para os distraídos.

Gostei muito de poder acompanhar os amores e desamores do nosso escritor, conhecer a vida dele e ver que nenhum de nós está livre de ter o coração partido. Diego, sua história é incrível e foi um prazer conhecê-la!

"As pessoas muitas vezes dizem que devemos esquecer as muitas coisas do nosso passado. Discordo firmemente. O passado é que mostra o que somos hoje. Graças a um passado, sabemos quem somos hoje. Ele nos mostra onde mudamos em meio a esse longo caminho. O passado e as pessoas que participaram dele merece um lugar especial em nosso coração, mesmo se a pessoa te fez mal."

07/02/2018

[Parceria] Editora Hyria

Olá, livreiras e livreiros! É com muita alegria que viemos apresentar à vocês mais uma editora que agora é parceira do blog Duas Livreiras. A editora da vez é a Editora Hyria. Vamos conhecê-la um pouco melhor?

Sobre a editora:
Missão: Acreditamos que a leitura é muito mais do que ler um amontoado de palavras, é você se conectar com a história, é um momento de aquisição de conhecimento, e essencial para qualquer pessoa, independente da idade. Procuramos oferecer livros com temáticas diversificadas, atuais e que transmitam conhecimento e cultura. Dessa forma, buscamos parceria com autores, gráficas, livrarias, distribuidores e colaboradores internos, estreitando, assim, as relações.

Visão: Posicionar-se no mercado literário brasileiro de forma que nossos autores se tornem reconhecidos pelos seus trabalhos e ser referência de uma Editora que se preocupa em transmitir conteúdos de qualidade

Valores: ​Seleção de textos relevantes e atuais para os leitores.
​O trabalho em equipe é uma conquista diária.
Valorização da criatividade e da originalidade.​

Alguns livros já publicados pela editora:
Meu pai é o bicho!: Meu Pai é o Bicho diferencia-se pela linguagem e pelo tema. Um pai que se transforma em vários animais: pinguim, gato, urso, zebra, canguru, leão, tigre... de acordo com a criatividade do filho.

No imaginário das crianças, os pais são a referência de força e segurança e, dessa forma, não são raras as comparações com super-heróis. O texto de Silvio Costta e as ilustrações de Ostan abordam a relação pai e filho de uma perceptiva natural e, porque não, selvagem!

As onomatopeias dão vida aos bichos e trazem musicalidade à história. Um livro para ser lido em família, no sofá de casa, na cama antes de dormir... Vai ser muito divertido ver quantos bichos um pai pode virar!

Esther sem frescura: Esther sem Frescura é um livro de Esther Marcos publicado pela Editora Hyria. Nele, a jovem atriz e cantora nos leva a conhecer de perto o seu mundo, em um relato em primeira mão, repleto de histórias exclusivas sobre sua vida e carreira. A busca pela positividade é um tema recorrente em Esther sem frescura. A atriz discute a pressão da sociedade atual pelos padrões de beleza, que costumam ser mais valorizados do que a gentileza, o caráter e a personalidade - mas garante que a chave para estar bem consigo mesmo é, acima de tudo, ter amor-próprio e apoio da família e dos amigos. Apesar de ainda não saber ao certo o que o futuro lhe reserva, Esther Marcos garante aos fãs que continuará a atuar e cantar, e deseja, mais do que qualquer outra coisa, ter uma vida feliz.

Floris e Brancaflor: Floris e Brancaflor tem elementos tomados de contos árabes, como "Mil e uma noites", mitologia grega "Píramo e Tisbe" que, por sua vez, foi influenciar outros bardos, como "Romeu e Julieta", de William Shakespeare.

O resultado é uma mistura suave das diferentes culturas que se encontraram na Península Ibérica. A história acabou se revelando eterna e universal, sendo igualmente apreciada nas cortes de norte a sul, de leste a oeste.

As personagens principais são dois jovens adolescentes, um príncipe sarraceno e uma donzela cristã. É uma história que tem drama, aventura e, acima de tudo, amor. O livro pode ser aplicado às disciplinas de Língua Portuguesa, História, Geografia, Psicologia e Socilogia.

Encontre a editora em: